| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • You already know Dokkio is an AI-powered assistant to organize & manage your digital files & messages. Very soon, Dokkio will support Outlook as well as One Drive. Check it out today!

View
 

Milene Pontes

Page history last edited by PIBID UERGS ALEGRETE 8 years, 6 months ago

 

http://uergspedagogiaalegrete.pbworks.com/w/file/fetch/98322336/logofinalpng.png

 

DÂNIELE PINHEIRO

MILENE PONTES

 

O MUNDO MÁGICO DA FANTASIA: REENCANTANDO NOVOS SUJEITOS LEITORES.

 

ALEGRETE

2015

 

IDENTIFICAÇÃO

Nome do projeto: O mundo mágico da fantasia: Reencantando novos sujeitos leitores.

Nome da escola: E.M.E.B. Francisco Carlos

Público-alvo: Alunos do segundo ano.

Turma: 21.

Professora titular: Lucinara

Período: 15h15min às 17h15min.

Alunas bolsistas: Dâniele Pinheiro e Milene Pontes.

 

INTRODUÇÃO

 

Através das observações e em conversa com a professora titular da turma, professora Lucinara, podemos iniciar um diagnostico da turma, as suas dificuldades, e sua potencialidades. A partir disso, iniciamos a nossa investigação e elaboração do projeto das nossas futuras práticas docentes, buscando contribuir no processo de aprendizagem dos alunos.

Depois de discutir e elaborar estratégias de como ajudar a turma há avançar no processo de alfabetização, montamos a oficina “contação de histórias”. Em conversa com a professora, ela nos relatou que a turma tinha uma defasagem com atividades recreativas, justificou-se que não tem tempo para elaborar atividades lúdicas, e então, colocamos a “oficina de recreação e artes”.

Vivemos em uma sociedade onde o hábito do prazer da leitura e o contato com livros, está cada vez mais distante do cotidiano das pessoas. A partir do avanço das novas tecnologias o interesse do público infantil passou a adquirir novas formas de leitura de mundo e o contato com o livro manual se tornou uma prática esquecida pelas pessoas.

 Diante desta realidade percebe-se a necessidade de criar estratégias que possibilitem o resgate do encanto pela leitura, face a isso, um dos mecanismos utilizados para despertar tal interesse é a oficina de contação de história. A origem dessa oficina surgiu a partir da necessidade de incentivar pequenos leitores a adquirirem o gosto pela leitura, pois ela é capaz de instigar a imaginação, a criatividade, a oralidade, a escrita e semear futuros seres pensantes capazes de refletirem sobre as suas ações transformando a sociedade em que vivem.

Nossa preocupação é abordar nesta oficina a contação de história como uma estratégia para a aprendizagem lúdica e encantadora, possibilitando o despertar da criança que talvez não tenha em casa a vivência do mundo letrado, a encantar-se e a ter uma nova visão. Criando um vínculo com os livros, instigando também os que têm contato, a usá-los para a construção da aprendizagem significativa. 

 

OBJETIVOS

Geral

Conscientizar o público da turma de segundo ano, sobre a importância e a necessidade do hábito da leitura, para a formação de novos leitores, ampliando o conhecimento de mundo além de ser uma maneira de incluir todos no desenvolvimento social, cognitivo e afetivo. Como também criando condições necessárias para o desenvolvimento integral dos alunos, além de promover a participação de forma coletiva e individual em ações que possam contribuir para o aprimoramento da coordenação motora e equilíbrio.

 

Específicos

Incentivar o interesse e a busca pelos livros.

Estimular o imaginário, a fantasia.

Provocar o desenvolvimento de habilidades como o ouvir/falar.

Instigar linguagem, a memória, o raciocínio e a concentração.

Desenvolver a flexibilidade, a coordenação motora, a cognição e a percepção dos alunos e alunas.

Executar movimentos básicos como: correr; saltar, pular, caminhar.

Estimular a criatividade, permitindo a criação de novos movimentos.

Desenvolver noções de trabalho em equipe, domínio de equilíbrio, postura e também adquirir noção de direção e localização.

 

METODOLOGIA

Como metodologia para alcançar nossos objetivos, optaremos por aulas expositivas dialogadas, com atividades lúdicas, recreativas, debates, com momentos de contação de histórias, utilizando materiais recicláveis para a construção de materiais, incentivando as artes, atividades recreativas e momentos com atividades individuais e coletivas.

 

LOCAL DE REALIZAÇÃO

E.M.E.B Francisco Carlos.

 

RECURSOS

Fantoches, caixa de teatro, bonecos em Eva, quadro, giz, lápis de cor, giz de cera, cola, tesouras, pincéis, tintas, esponjas, folhas coloridas, materiais recicláveis, vestimentas para contação de histórias, computador, aparelho de som, bolas, cordas, e entre outros materiais pedagógicos disponíveis na sala de aula.

 

CRONOGRAMA

Intervenções Pedagógicas        OFICINA

1ª observação                                20-08-15

2ª observação                                27-08-15

3ª observação                                03-08-15

1ª intervenção pedagógica   Oficina de contação de histórias

2ª intervenção pedagógica   Oficina de artes.

3ª intervenção pedagógica   Oficina de recreação.

4ª intervenção pedagógica   Oficina de contação de histórias.

5ª intervenção pedagógica   Oficina de artes.

6ª intervenção pedagógica   Oficina de recreação.

7ª intervenção pedagógica   Oficina de contação de histórias.

8ª intervenção pedagógica   Oficina de artes.

 

AVALIAÇÃO

 

A avaliação será feita através da observação em todas as atividades propostas. O resultado será satisfatório se todos (as) alunos (as) participarem e discutirem temas abordados.

 

Plano de Intervenção Pedagógica

 

Data: 18-11-15

 

Dados de Identificação:

Escola: Francisco Carlos

Professor (a): Lucinara

Pibidiano (a) (as/os): Milene e Dâniele.

Ano: 2015/2

Turma: 21- 2º ano

Período: das 15h30min às 17h15min

 

 

Tema: Diversidade étnica e cultural.

 

Objetivos:

 

Objetivo geral:

Levar ao aluno à valorização do ser humano, ajudando-os na reflexão, quanto ás semelhanças, diferenças étnicas e sociais e relações familiares.

          

Objetivos específicos:

 

Interpretar fatos da história a partir de perguntas sugeridas.

Incentivar o gosto pela leitura de histórias narradas.

Tratar a questão das diferenças, valorizando a diversidade.

 

Conteúdo:

 

Identidade, afetividade e família.

 

Desenvolvimento do tema:

 

Hora do conto:

Será contado a história “Menina bonita do laço de fita”, da autora Ana Maria Machado, com o recurso de uma boneca, e um coelho.

Será realizado uma roda de conversa para que possamos discutir nossa origem, e descobrirmos com que somos parecidos com alguém da família, tanto fisicamente como psicologicamente. 

Será discutido também sobre as características que herdamos de nossos pais, das particularidades de cada um, cor, estatura, cabelos, lábios... Saber, portanto, das diferenças que muitas vezes são herdados dos nossos familiares.

Serão feitos alguns questionamentos para a turma como:

- Com quem a gente se parece?

- Todas as pessoas são iguais?

- Descreva como você é?

- O que tinha de diferente na história contada?

- Qual era o grande desejo do coelho?

- Ele conseguiu realizar o que ele queria?

 

Posteriormente, será mostrado em um mapa-múndi, os cinco continentes- a América, a Europa, a Ásia, a África e a Oceania, ressaltando que eles são divididos em países, cada um com seus costumes e tradições, suas festas, músicas e danças, suas religiões e seu jeito de ser.

 

Registro da história:

             Confecção dos filhos do coelho, com rolos de papel higiênico.

 

Brincadeiras africanas.

 

Escravos de Jô

Todos têm suas pedrinhas e no começo elas são transferidas entre os participantes, seguindo a sequência da roda. Depois, quando os versos dizem “Tira, põe, deixa ficar!”, todas seguem a orientação da música. No verso “Guerreiros com guerreiros”, a transferência das pedrinhas é retomada, até chegar ao trecho “zigue, zigue, zá!”, quando os participantes movimentam as pedras que estão em mãos para um lado e para o outro, sem entregá-las a ninguém. O jogador que erra os movimentos é eliminado da brincadeira, até que surja um único vencedor.

Escravos de Jó, jogavam caxangá

Escravos de Jó jogavam caxangá.

Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar...

Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá

Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá.

 

        O mestre mandou

Para esta atividade, a turma terá que escolher um participante para ser o mestre. Os demais obedecerão a ele. O mestre dá uma ordem, começando com “o mestre mandou”, por exemplo: “o mestre mandou pegar uma pedrinha”. Quem não pegar sai, quem pegar continua. Até que sobre somente um participante, que será o novo mestre.

 

Avaliação:

A avaliação será feita através da observação, como cada aluno realizará as atividades propostas.

 

Reflexão:

No início desta intervenção, contamos a história “Menina Bonita do Laço de Fita” e a partir desta realizamos nossas outras atividades, procurando incentivar o respeito ao ser humano e suas diferenças de etnias, os alunos nos surpreenderam nas suas falas sobre preconceito raciais, expressaram o que percebem no meio em que vivem. No momento de registro da história demonstraram criatividade e personalidade enquanto construíam seu coelho “diferente”.

 

Plano de Intervenção Pedagógica

 

Data: 4-11-15

 

Dados de Identificação:

Escola: Francisco Carlos

Professor (a): Lucinara

Pibidiano (a) (as/os): Milene e Dâniele.

Ano: 2015/2

Turma: 21- 2º ano

Período: das 15h30min às 17h15min

 

 

Tema: Diversidade Humana 

 

Objetivos:

 

Objetivo geral:

Conscientizar os alunos que somos diferentes e que devemos ser respeitados pelo que somos, independente das nossas necessidades e diferenças

 

Objetivos específicos:

 

Desenvolver relações sócio-afetivas.

Reconhecer-se como um indivíduo único, no meio de tantos outros igualmente únicos.

Familiarizar-se com a imagem do próprio corpo.

Identificar diferenças de seu próprio corpo e de seus colegas.

Conhecer-se e perceber que um não é igual ao outro e que é preciso respeitar cada um na sua maneira de ser.

 

 

Metodologia

 

Hora do conto: Tudo bem ser diferente" de Todd Parr.

 

Organizar a turma em uma roda, fazer alguns combinados iniciais para começar a contação, e posteriormente, realizaremos questionamentos sobre a história:

 

- Como nós somos? Calmos? Agitados? Carinhoso? Falante? Envergonhado?

- Quais são as nossas semelhanças? E diferenças?

 

- Você é parecido com alguém da sua família? Com quem? O que?

 

- Que legal ter amigos diferentes. Comente sobre um (a) amigo(a) que você gosta, que é diferente de você?

 

Ao longo da conversa surgirá entre outras perguntas, conforme o desenvolvimento do assunto. Será discutido com os alunos sobre a diversidade humana, que estará sempre em nosso meio, cabendo a nós, respeitar, aceitar e ajudar o outro.

 

Painel coletivo: “Somos todos diferentes, com direitos iguais”!

 

Propor que a turma recorte a partir de revistas, e jornais diferentes imagens de pessoas, para que possamos construir e representar através do recorte a nossa diversidade humana. Logo após, discutiremos as características, semelhanças e diferenças das imagens retiradas de revistas. Após eles construirão um texto coletivo sobre a história, que será exposto na sala de aula.

 

Compreendendo a história:

 

Após a turma, construir o painel coletivo, com as gravuras encontradas, os alunos responderão no caderno as seguintes perguntas sobre a história:

 

1)    Descreva como você é.

2)    O que você entendeu sobre a história?

2)  Você tem amigos diferentes? Como eles são?

3) Todos somos diferentes, mas possuímos direitos iguais. Escolha um(a) colega para citar diferenças entre você e ele(a).

4) Você já ajudou um colega que precise de você hoje?

5) Quais são suas dificuldades?

As regras serão as seguintes: “Não poderá usar as mãos, não poderá enxergar, não poderá usar as mãos nem os pés e por último, não poderá falar”.

 

Dinâmica: Descobrindo novas sensações.

 

A turma será dividida em quatro grupos, e para cada um deles, receberá uma folha branca, e um lápis de cor, para que realiza a atividade. Serão sorteadas quatro diferentes situações em que os alunos terão que representar.

As regras serão as seguintes: “Não poderá usar as mãos, não poderá enxergar, não poderá usar as mãos nem os pés e por último, não poderá falar”.

 

VI. Recursos didáticos:

 

Papel pardo, livro da história, folhas brancas, revistas, tesouras, tenaz, e entre outros materiais disponíveis na sala de aula.

 

Avaliação:

 

A avaliação será realizada partindo da observação da satisfação e participação dos alunos na realização das atividades propostas.

 

Reflexão:

 

Na intervenção deste dia, iniciamos contando a história, tudo bem ser diferente, nesse momento as crianças interagiram com a história, relatavam fatos comparando com os da história, logo após a contação de história conversamos, sobre as diferenças e juntos discutimos a importância de cada ser humano na sociedade, posteriormente construímos um painel coletivo, no qual gerou movimento, conversa, mas bastante trabalho, pois todos participaram recortando e colando no painel, nessa tarde apesar do barulho gerado pela proposta da atividade, conseguimos envolver todas crianças nas atividades de maneira positiva, o que nos proporcionou realização.

 

DM 2.jpg

 

DM 3.jpg

 

DM 2.jpg

 

Plano de Intervenção Pedagógica

 

Data: 21-10-15

 

Dados de Identificação:

Escola: Francisco Carlos

Professor (a): Lucinara

Pibidiano (a) (as/os): Milene e Dâniele.

Ano: 2015/2

Turma: 21- 2º ano

Período: das 15h30min às 17h15min

 

 

Tema: Recreação

 

Objetivos:

 

Objetivo geral:

 

Criar as condições necessárias para o desenvolvimento integral dos alunos, além de promover a participação de forma coletiva e individual em ações que possam contribuir para o aprimoramento da coordenação motora e equilíbrio.

 

 

Objetivos específicos:

 

Desenvolver a flexibilidade, a coordenação motora, a cognição e a percepção dos alunos e alunas.

Executar movimentos básicos como: correr; saltar, pular, caminhar.

Estimular a criatividade, permitindo a criação de novos movimentos.

Desenvolver noções de trabalho em equipe, domínio de equilíbrio, postura e também adquirir noção de direção e localização.

Conteúdo:

 

Movimentando o corpo, jogos cooperativos, adição, subtração, multiplicação, divisão, produção textual coletiva.  

 

 

Desenvolvimento do tema:

 

Corrida do canguru

Os alunos terão que organizar-se em duas equipes, cada uma, formará uma fila, com o mesmo número de participantes. O professor marcará no chão com uma fita colorida ou um giz, uma linha de cada lado.

O primeiro participante da fila receberá uma bola que terá que colocar entre as pernas, e este terá que pular em cima da linha tracejada, do inicio ao fim, e depois voltar pulando com a bola. Quem deixar cair à bola continua de onde parou.  A primeira fila que terminar em menos tempo, ganha o jogo.

 

Passando a bolo diferente

A turma terá que formar um circulo, sentados no chão, como índios, de mãos dadas, terão que passar a bola para o colega, sem poder usar as mãos. Os alunos terão que utilizar as outras partes do corpo para conseguir passar a bola. As mãos não podem se soltar. Será formando uma corrente entre os colegas.

 

O mestre mandou

Um dos participantes é encarregado de ser o mestre e ficará a frente dos outros jogadores. Ele dará as ordens e todos os seguidores deverão cumpri-las desde que sejam precedidas as palavras de ordem: “O mestre mandou”.

O mestre poderá mandar, por exemplo, que os participantes: pulem de um pé só mostrando a língua, girando e batendo palma, e entre outros movimentos.

 

Twster

O aluno roda a roleta e se o ponteiro parar "na cor azul/pé direito" o primeiro aluno tem que colocar o pé direito no círculo azul, o segundo aluno deve agir da mesma forma de acordo com o resultado da roleta. Ao final do jogo, vai ficando mais difícil para conseguir posicionar-se no tapete, e assim o nível de dificuldade vai aumentando, até quando todos os alunos conseguirem participar.

 

Registro das atividades

 

Ao final das brincadeiras no pátio da escola, os alunos retornarão a sala de aula, para a construção de um texto coletivo, sobre este momento de recreação. É neste momento que realizaremos a culminância do tema da aula, na qual os alunos irão socializar o aprendizado da aula.

 

Avaliação:

 

A avaliação será feita através da observação, como cada aluno realizará as atividades propostas.

 

Reflexão:

 

Nesta tarde, após o momento do recreio iniciamos nossa intervenção na qual realizamos uma roda de conversa, realizando um momento de volta a calma e a criação de combinados, para então darmos início as brincadeiras, no decorrer das atividades conseguimos perceber que os alunos colocaram para fora toda energia e adrenalina enquanto realizavam as mesmas, se agitaram bastante, mas consideramos esse agito pedagógico, pois estavam aprendendo enquanto brincavam e interagiam com o meio e os colegas.

 

DM 14.jpg

 

DM 11.jpg

 

DM 9.jpg

 

DM 8.jpg

 

DM 7.jpg

 

DM 5.jpg

 

DM 4.jpg

 

Plano de Intervenção Pedagógica

 

Data: 21-10-15

 

Dados de Identificação:

Escola: Francisco Carlos

Professor (a): Lucinara

Pibidiano (a) (as/os): Milene e Dâniele.

Ano: 2015/2

Turma: 21- 2º ano

Período: das 15h30min às 17h15min

 

Tema: O encanto da leitura e escrita

 

Objetivos:

 

Objetivo geral:

Encantar para o habito de ouvir histórias e produção escrita

 

Objetivos específicos:

 

Despertar o imaginário.

Exercitar a expressão oral

Incentivar a criatividade por meio da escrita e produção plástica.


Conteúdo:

 

Produção textual e criatividade.

 

Desenvolvimento do tema:

 

Hora do conto: Bolsos do mundo

 

Contar para a turma a história, com o recurso do livro e da voz.

 

Construção do livro: Outros Bolsos do Mundo

 

            Propor para que cada aluno(a) pense em um outro bolso do mundo que não está no livro, e posteriormente pedir para que escrevam o mesmo em um pedaço de cartolina, logo após deverão ilustrar esse bolso com tinta guache. Na última página do livro terá dois bolsos uma será o bolso das coisas que não queremos mais, nesse dia cada criança terá que escrever em um papel algo que não gostam que aconteça na sala e logo após guardaremos nesse bolso para que não aconteça mais. O outro bolso será o das coisas que queremos distribuir, no qual escreverão algum sentimento bom que querem distribuir.

 

Avaliação:

 Nessa tarde os alunos participaram e ao final da aula questionamos se eles haviam gostado da aula e a grande maioria se expressou de maneira positiva, nos deixando alegres por ter conseguido construir conhecimento na nossa primeira intervenção de maneira satisfatória para a turma. 

A avaliação será feita através da observação, como cada aluno realizará as atividades propostas.

 

Reflexão:

 

Nesta aula realizamos a contação de história “Os bolsos do mundo”, e após propomos para que os alunos criassem um livro no qual cada um produziram um bolso que eles queriam guardar tudo de ruim, que os incomodassem, no outro bolso, o que eles queriam distribuir de bom, percebemos que as brigas que acontecem na turma, é algo que está entre as coisas que algumas crianças não gostam que aconteça, nas atividades propostas nesse dia.

 

DM 25.jpg

 

DM 24.jpg

 

DM 23.jpg

 

DM 22.jpg

 

DM 21.jpg

 

DM 20.jpg

 

DM 19.jpg

 

PLANO DE INTERVENÇÃO

 

II. Dados de Identificação:

Escola: E.M.E.B Francisco Carlos

Professora: Lucinara

Ano: 2º

Período: 15:15 às 17:15

 

III. Tema: Toda criança tem direito a um lar

Trabalhar classificação

Trabalhar classificação

 

IV. Objetivos:

Objetivo geral: Redescobrir diversos tipos de moradias, e refletir sobre o direito de todas crianças terem um lar.

Objetivos específicos:

Incentivar o interesse e a busca pelos livros

Estimular o imaginário, a fantasia.

Provocar o desenvolvimento de habilidades como o ouvir/falar.

Instigar linguagem, a memória, o raciocínio e a concentração

Trabalhar classificação

 

Metodologia

Hora do conto: A verdadeira história dos três porquinhos

 

Organizar e contar para a mesma a verdadeira história dos três porquinhos, por meio de fantoches e o recuso da voz, posteriormente a contação de história realizar questionamentos sobre a história:

Como eram as casinhas dos porquinhos?

Quem acreditou na versão do lobo e por quê?

Questionar como é a casa em que moram?

Existem crianças que não moram em suas casas?

Ajudando o lobo a fazer cup cakes para vovó

 

Registro das atividades

Propor que a turma ajude o lobo a fazer cup cakes para o aniversário da vovó, explorando o painel com a receita e ir questionando que precisamos para a confecção do bolo e juntos confeccionar o bolo na sala e após levar para assar na cozinha.

A turma construirá um texto coletivo após todas as atividades realizadas em aula

VI. Recursos didáticos:

Fantoches, ingredientes para confecção de cup cakes, jogos, dados.

VII. Avaliação:

A avaliação será realizada partindo da observação da satisfação e participação dos alunos na realização das atividades propostas.

Reflexão:

Neste dia foi não foi possível realizar todo o planejamento da aula, pois devido ao tempo chuvoso, foram poucos alunos, e o tempo de duração da aula, foi reduzido. Mas conseguimos aproveitar a história e realizamos um registro da contação. Durante o desenvolvimento dessas atividades, pudemos notar o envolvimento e participação nas mesmas.

 

Observação

Data: 20-08-15

 

Dados de Identificação:

Escola: Francisco Carlos

Professor (a): Lucinara

Pibidiano (a) (as/os): Milene e Dâniele.

Ano: 2015/2

Turma: 21- 2º ano

Período: das 15h30min às 17h15min

 

Observação:

 A turma do segundo ano é constituída por 15 alunos(as), sendo 9 meninos e 6 meninas. Ao entrarmos na sala de aula neste dia, a professora estava realizando a leitura de um texto do saci e no momento da leitura ia pedindo para alguns alunos(as) lerem pequenas partes do mesmo. Logo após todos realizaram a leitura coletiva e no momento desta percebemos que os alunos que leram não apresentavam dificuldades de leitura.

A turma foi bastante receptiva no momento em que a professora nos apresentou e logo quando a professora foi até a secretaria vários alunos vieram até nós para conversar e se apresentarem novamente e ainda duas meninas colocaram-se a disposição se por acaso precisássemos de algo.

Após a leitura do texto a professora propôs atividades de interpretação de texto, durante este momento analisamos que a turma é bem heterogenia nas questões de acompanhamento das atividades, já que enquanto alguns alunos na atividade de interpretação, outros estavam na primeira atividade proposta da tarde.

Nossa primeira impressão foi de uma turma um pouco agitada, expressiva e que gosta de dialogar e participar da aula todo o momento que a professora propõe.

 

I. Plano de Intervenção Pedagógica: Data: 26-06-2015
II. Dados de Identificação:
Escola: I.E.O.A Oswaldo Aranha
Ano: 4º ano
Turma: 42
III. Tema:  Oficina de Artes

IV. Objetivos:
Objetivo geral:
Conscientizar os alunos a adotarem práticas sustentáveis que envolvam o consumo correto e o descarte de materiais recicláveis.
             Objetivos específicos:
•    Valorizar materiais de sucata desenvolvendo a educação ambiental.
•    Desenvolver a coordenação motora.
•    Oportunizar a aprendizagem sobre separação e classificação do lixo.
•    Conhecer a durabilidade do lixo.
•    Identificar qual o destino correto para diferentes resíduos sólidos.

V. Conteúdo:
                         Conhecimento sobre o meio ambiente e reciclagem.
VI. Desenvolvimento do tema:
1º momento: Conhecimento prévio dos alunos sobre reciclagem.
Neste momento iremos discutir qual é a utilidade e tempo de duração dos materiais recicláveis que os alunos trouxeram. Como eles são separados, se os alunos separam direitinho o lixo na hora de entregar aos coletores, como é feito o processo de reciclagem dos materiais, qual material você já reutilizou para fazer algum brinquedo, e entre outras perguntas que surgirem conforme o desenvolvimento da conversa.
2º momento: Vídeo explicativo sobre reciclagem, separação, e reutilização do lixo.
Após os alunos assistirem o vídeo, faremos uma breve discussão sobre o que foi mostrado no mesmo, e o que eles puderam retirar de mais importante sobre o que observaram.
             3º momento: Contação de história- “Maneco o boneco de sucata”.
              4º momento: Discussão sobre a história e o vídeo e separação dos materiais recicláveis que os alunos trouxeram.
Neste momento, realizaremos uma rodinha com os alunos, para discutirmos o que eles puderam compreender sobre a história e sobre o vídeo explicativo. E depois iremos separar conforme o que eles aprenderam no vídeo sobre a separação do lixo.
5º momento: Hora da merenda
6º momento: Registro da história
Os alunos confeccionarão um boneco da turma com os materiais recicláveis que eles trouxeram.
7º momento: Caracterização do boneco
A turma irá caracterizar o boneco, dando um nome a ele (a), idade, profissão, de quais materiais ele foi feito, e este será o mais novo mascote da turma.
8º momento: Culminância do tema
No último momento da aula, formaremos a apresentação do boneco confeccionado por eles, e cada aluno irá apresentar qual parte do boneco que ajudou montar. Findaremos a aula debatendo e discutindo sobre o que aprenderam com o tema neste dia.
VII. Recursos didáticos:  Notebook, caixas de som, garrafas pet, tesouras, tenaz, rolos de papéis higiênicos, rótulos de garrafas, e entre outros materiais disponíveis da sala de aula.
VIII. Avaliação:  A avaliação será satisfatória se conseguir atingir todos os objetivos propostos, como também se a participação dos alunos for de maneira integral em todas as atividades. Durante o desenvolvimento da aula, será observado o comportamento dos alunos, o seu ritmo de aprendizagem, e as dificuldades encontradas.

IX - Reflexão 

 

  I.: Data: 25-06-2015
  II. Dados de Identificação:
Escola: I.E.O.A Oswaldo Aranha
Ano: 4º ano
Turma: 42
Professora: Fernanda Fiorin
  III. Tema: Oficina de Artes
  IV. Objetivos:
Objetivo geral:
Despertar o interesse dos alunos para a reciclagem.
Objetivos específicos:
Estimular a atenção e a criatividade.
Proporcionar a produção textual.
Ampliar a imaginação.
Desenvolver a timidez
Valorizar o trabalho em grupo.
Trabalhar habilidades artísticas.
  V. Conteúdo:
Conhecimento sobre o meio ambiente e a importância de sua preservação.
  VI. Desenvolvimento do tema:
1º momento: Conhecimento prévio dos alunos
Será feito uma conversa inicial com os alunos sobre: O que é o meio ambiente? Como ele é formado? Quais são os quatro elementos fundamentais que compõe o meio ambiente? Estamos cuidando da nossa casa? O que deixaremos para os próximos moradores deste mundo? O que acontecerá se continuarmos desmatando? O que podemos fazer para ajudar? Alguém tem alguma sugestão? O que você faz hoje para ajudar a cuidar e a preservar o nosso planeta?
 2º momento: Apresentação da música- Herdeiros do futuro
Neste momento, realizaremos a apresentação da música “Herdeiros do futuro” de Leandro. Juntamente será entregue a letra da música para os alunos acompanharem e irem lendo sobre o que fala a mesma.
3º momento: Discussão sobre o assunto da música
Neste momento, realizaremos uma rodinha com os alunos, para discutirmos o que fala a música. Será perguntado aos alunos:
- O que eles acharam da música?
- O que puderam entender? Sobre o que ela fala?
- Qual é a mensagem que está por trás da música?
- Quem são os herdeiros do futuro?
- O que podemos fazer para ajudar o nosso planeta?
4º momento: Hora da merenda
5º momento: Registro da música.
Os alunos confeccionarão plaquinhas para serem distribuídas pela escola.
6º momento: Painel coletivo
Neste momento, os alunos confeccionarão um painel desenhando e pintando uma ação que ele acha importante divulgar aos colegas e para poder ajudar as pessoas de como cuidar do nosso planeta.
Serão entregues discos de isopor que será a tela da sua pintura.

Tema de casa: Ao final da aula será pedido aos alunos para que eles tragam para a próxima aula, materiais recicláveis e reutilizáveis como garrafas pet, caixas de leite, rolo de papel higiênico, tampas, e entre outros, para utilizarmos em uma atividade a ser realizada no dia seguinte.
7º momento: Culminância do tema
No último momento da aula, formaremos??? a apresentação dos trabalhos confeccionados por eles, e cada aluno irá apresentar a sua produção textual da sua plaquinha para os colegas e a sua tela que pintou, e discutiremos sobre o que aprenderam neste dia.

  VII. Recursos didáticos:  Papéis recicláveis, disco de isopor, tintas, tesouras, tenaz, tnt, aparelho de som, lápis de cor e giz de cera.

  VIII. Avaliação:  A avaliação será satisfatória se conseguir atingir todos os objetivos propostos, como também se a participação dos alunos for de maneira integral em todas as atividades. Durante o desenvolvimento da aula, será observado o comportamento dos alunos, o seu ritmo de aprendizagem, e as dificuldades encontradas.

  IX – Reflexão:

 

I. Plano de Aula: Data: 22-04-2015

II. Dados de Identificação:
Escola: I.E.O.A Oswaldo Aranha
Ano: 4º ano
Turma: 41
Período: tarde
III. Tema: Oficina de Artes

IV. Objetivos:
Objetivo geral:
Resgatar o valor da arte trabalhando conceitos históricos da escola, comemorando como um saber e um fazer passível de reflexão e de construções cognitivas.
Objetivos específicos:
Estimular a criatividade.
Desenvolver a motricidade fina.
Possibilitar ao alunado, a opinião e senso crítico, sobre o que pensa, e acha sobre a escola em que estuda.
Oportunizar momentos de reflexão e problematização durante as aulas, para assimilação e aprendizagem do conteúdo abordado.
V. Conteúdo:  Produção artística, textual e dobradura.
VI. Desenvolvimento do tema:
1º momento: Conhecimento prévio dos alunos
Será feito uma rodinha com os alunos, para retomar o que os alunos já trabalharam durante a semana, sobre o aniversário da escola. Ao longo da conversa, será introduzido o tema da aula, e informações sobre a atividade que será desenvolvida com eles. Será feito alguns questionamentos para turma,em relação a data comemorativa:
- Quem foi Oswaldo Aranha?
- Quantos anos, a escola está fazendo?
- Gosta da sua escola? Por quê?
-  Qual parte da escola, em que mais gosta?
- Qual horário da rotina escolar, que mais gosta? Por quê?
- Como é o relacionamento com os professores? Colegas e funcionários?
2º momento: Passeio pela escola e aos arredores.
Este momento será reservado, para visitação a uma parte da escola, que mais a turma gosta, ou que queria conhecer, ou que costuma ficar durante o recreio. Ao longo do passeio, serão explorados todos os espaços que a escola possuiu: como é divida, como se organiza, como os alunos conseguem se orientar e locomover dentro dela e entre outras perguntas que poderão surgir no momento da conversa.
3º momento: Apresentação da proposta e confecção da dobradura.
Neste momento cada aluno (a) receberá uma folha branca, na qual terá que cortar em forma geométrica de quadrado, para iniciar a dobradura. Após os comandos da professora, para a realização da dobradura, que será a escola, eles terão que escolher entre o que escrever no interior da dobradura, como por exemplo: o porque gosta de sua escola, o que lhe chama mais atenção, qual parte da escola que mais gosta de frequentar, como é este espaço para você, se sentem-se bem, confortáveis e entre outros .
4º momento: lanche
5º momento: Constituição do painel para exposição dos trabalhos.
A proposta da aula será para que os alunos construam um painel com as dobraduras que realizarão da escola, e suas produções textuais.
6º momento: Culminância do tema
No último momento da aula, formaremos uma rodinha no fundo da sala, e cada aluno (a) apresentará sua produção artística, e o que escreveu sobre a escola.
VII. Recursos didáticos:   folhas brancas, tnt, tesouras, tenaz, lápis de cor, giz de cera,
VIII. Avaliação:  A avaliação será através da observação, ao longo da aula, a participação e interesse dos alunos, no desempenho da realização das atividades. O ritmo de desenvolvimento da aula, também será observado, e as dificuldades encontradas, na realização das mesmas.

IX. Reflexão:

 

I. Plano de Aula: Data: 16-04-2015
II. Dados de Identificação:
Escola: I.E.O.A Oswaldo Aranha
Ano: 4º ano
Turma: 41
Período: tarde
III. Tema: Oficina de Artes
IV.
Objetivo geral: Levar o alunado a conhecer a obra de Monteiro Lobato, valorizando a expressão singular do aluno, desenvolvendo sua percepção visual, imaginária e criadora.
Objetivos específicos:
Desenvolver a leitura e escrita.
Promover a criação artística dos (as) alunos (as).
Conhecer um autor importante da literatura brasileira: Monteiro Lobato.
Estimular a criatividade.
V. Conteúdo:  Produção artística, textual e desenho.
VI. Desenvolvimento do tema:
1º momento: Conhecimento prévio dos alunos
Será feito uma rodinha com os alunos, para retomar o que os alunos acharam dos filmes  que foi passado na aula anterior no áudio visual da escola.
_ Quem era Monteiro Lobato?
_ O que entenderam dos filmes? Gostaram? Qual(s)?
_ Qual será a importância da família?
_ Como eram os personagens? Qual mais gostou?
_ Com qual personagem você se identifica? Por quê?
_ Como é a personalidade da Emília? Ela é o que? Quem a fez?
_ Como é a personalidade da Narizinho? Do Pedrinho?
_ Qual personagem você gostaria de conhecer? De conversar?
_ O que você diria a(o) seu(ua) personagem preferido?
Ao longo da conversa, será introduzido o tema da aula, e informações sobre as diferenças das pessoas, os hábitos, a personalidade de cada um.
2º momento: Discussão sobre os personagens
Neste momento a turma dividir-se-á em duplas, e receberão uma folha com informações sobre a obra de Monteiro Lobato do Sítio do Pica Pau Amarelo, e troca de saberes, em relação aos personagens do Sítio. Para todos os personagens, será entregue um texto informativo, sobre qual é a seu papel em que atua no sítio.
3º momento: lanche
4º momento: Apresentação do livro
A proposta da aula será para que os alunos construam um livrão de acordo com os personagens do filme que assistiram. A proposta é de que, os alunos possam produzir textos, falando de seu personagem favorito e se identifica com alguém do sítio. Após eles desenharão o personagem que escolheram, e irão ilustrar, através de recortes de papéis coloridos.
5º momento: Culminância do tema
No último momento da aula reuniremos todos os trabalhos feitos pelos alunos, e formaremos o livrão da turma. Os alunos apresentarão para a turma, o que fez em seu trabalho, e o que quis ressaltar em sua escrita textual.
VII. Recursos didáticos:  
     - folhas coloridas, paspatu, tesouras, tenaz, cola colorida, lápis de cor, giz de cera, e cola em 3D.  
VIII. Avaliação:
      A avaliação será através da observação, ao longo da aula, a participação e interesse dos alunos, no desempenho da realização das atividades. O ritmo de desenvolvimento da aula, também será observado, e as dificuldades encontradas, na realização das mesmas.

REFLEXÃO:

 

Plano de Intervenção Pedagógica

 

Data: 21-10-15

 

Dados de Identificação:

Escola: Francisco Carlos

Professor (a): Lucinara

Pibidiano (a) (as/os): Milene e Dâniele.

Ano: 2015/2

Turma: 21- 2º ano

Período: das 15h30min às 17h15min

 

 

Tema: Recreação

 

Objetivos:

 

Objetivo geral:

 

Criar as condições necessárias para o desenvolvimento integral dos alunos, além de promover a participação de forma coletiva e individual em ações que possam contribuir para o aprimoramento da coordenação motora e equilíbrio.

 

 

Objetivos específicos:

 

Desenvolver a flexibilidade, a coordenação motora, a cognição e a percepção dos alunos e alunas.

Executar movimentos básicos como: correr; saltar, pular, caminhar.

Estimular a criatividade, permitindo a criação de novos movimentos.

Desenvolver noções de trabalho em equipe, domínio de equilíbrio, postura e também adquirir noção de direção e localização.

Conteúdo:

 

Movimentando o corpo, jogos cooperativos, adição, subtração, multiplicação, divisão, produção textual coletiva.  

 

 

Desenvolvimento do tema:

 

Corrida do canguru

Os alunos terão que organizar-se em duas equipes, cada uma, formará uma fila, com o mesmo número de participantes. O professor marcará no chão com uma fita colorida ou um giz, uma linha de cada lado.

O primeiro participante da fila receberá uma bola que terá que colocar entre as pernas, e este terá que pular em cima da linha tracejada, do inicio ao fim, e depois voltar pulando com a bola. Quem deixar cair à bola continua de onde parou.  A primeira fila que terminar em menos tempo, ganha o jogo.

 

Passando a bolo diferente

A turma terá que formar um circulo, sentados no chão, como índios, de mãos dadas, terão que passar a bola para o colega, sem poder usar as mãos. Os alunos terão que utilizar as outras partes do corpo para conseguir passar a bola. As mãos não podem se soltar. Será formando uma corrente entre os colegas.

 

O mestre mandou

Um dos participantes é encarregado de ser o mestre e ficará a frente dos outros jogadores. Ele dará as ordens e todos os seguidores deverão cumpri-las desde que sejam precedidas as palavras de ordem: “O mestre mandou”.

O mestre poderá mandar, por exemplo, que os participantes: pulem de um pé só mostrando a língua, girando e batendo palma, e entre outros movimentos.

 

Twster

O aluno roda a roleta e se o ponteiro parar "na cor azul/pé direito" o primeiro aluno tem que colocar o pé direito no círculo azul, o segundo aluno deve agir da mesma forma de acordo com o resultado da roleta. Ao final do jogo, vai ficando mais difícil para conseguir posicionar-se no tapete, e assim o nível de dificuldade vai aumentando, até quando todos os alunos conseguirem participar.

 

Registro das atividades

 

Ao final das brincadeiras no pátio da escola, os alunos retornarão a sala de aula, para a construção de um texto coletivo, sobre este momento de recreação. É neste momento que realizaremos a culminância do tema da aula, na qual os alunos irão socializar o aprendizado da aula.

 

Avaliação:

 

A avaliação será feita através da observação, como cada aluno realizará as atividades propostas.

 

Reflexão:

 

 

Nesta tarde, após o momento do recreio iniciamos nossa intervenção na qual realizamos uma roda de conversa, realizando um momento de volta a calma e a criação de combinados, para então darmos início as brincadeiras, no decorrer das atividades conseguimos perceber que os alunos colocaram para fora toda energia e adrenalina enquanto realizavam as mesmas, se agitaram bastante, mas consideramos esse agito pedagógico, pois estavam aprendendo enquanto brincavam e interagiam com o meio e os colegas.

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.